top of page

Tornar-se do dia para a noite um paciente oncológico pode ser um dos momentos mais desafiadores na vida de uma pessoa. A jornada do tratamento pode ser longa e árdua, envolvendo uma série de terapias e abordagens médicas. Mas aliar a atividade física com certeza é uma atitude poderosa e positiva nessa jornada.

Integrar o exercício físico em sua rotina diária durante e após o tratamento do câncer pode ser uma das decisões mais benéficas que você pode tomar para o seu bem-estar.

A atividade física regular ajuda a manter e a melhorar sua força muscular e  sua resistência e isso não apenas o (a) torna mais capaz para enfrentar os desafios do tratamento, mas também contribui para um sentimento de autonomia e controle sobre o próprio corpo em um momento em que muitos podem se sentir vulneráveis.

Além disso, o exercício pode ser um grande aliado na gestão dos efeitos colaterais do tratamento, como fadiga e alterações no humor e ainda podem melhorar a resposta a tratamentos anticancerígeno padrão, como a químio e a radioterapia. 

Incorporar o exercício como um hábito de vida pode ajudar a sustentar os resultados do tratamento, promovendo uma recuperação mais completa e uma vida mais ativa e plena.

IZONE adicionou ao nosso site essa sessão de aulas de ciclismo indoor pensando em promover as melhores respostas fisiológicas possíveis a esses pacientes. Utilizando consensos recentes apresentados pelo Physical Activity Guidelines for Americans de 2018  e endossados com diretrizes semelhantes pelo ACSM ( American College of Sports Medicine), American Cancer Society e a National Comprehensive Cancer Network. 

Ficamos muito felizes por você permitir que Izones contribua para seu processo de cura ou em seu bem estar pós tratamento, e por isso listamos abaixo para que você já saiba alguns benefícios que trabalhos recentes publicados vem apontando sobre a importância dos exercícios neste processo.​

Mecanismos Moleculares e Papéis do Exercício na Prevenção e Tratamento do Câncer:

Exercícios físicos melhoram a qualidade de vida e os prognósticos dos pacientes com câncer. A pesquisa sugere que o exercício deve ser uma intervenção importante tanto na prevenção quanto no tratamento do câncer e suas complicações. A sensibilidade ao exercício físico varia em diferentes tipos de câncer, oferecendo evidências para o tipo e intensidade do exercício em vários cânceres e em diferentes estágios. Inibir a proliferação de células cancerígenas, induzir a apoptose, regular o metabolismo e o ambiente imunológico são mecanismos principais pelos quais o exercício físico beneficia a prevenção e o tratamento do câncer ​(Wang & Zhou, 2020).

Atividade Física e Exercício no Cuidado do Câncer de Pulmão:

Apesar dos avanços na eficácia do tratamento, pacientes com câncer de pulmão frequentemente experimentam sintomas debilitantes relacionados à doença, como dispneia, fadiga e ansiedade. A atividade física e o exercício mostraram melhorar a fadiga, a qualidade de vida, a aptidão cardiorrespiratória, a função pulmonar, a massa e força muscular, e o status psicológico em pacientes com câncer de pulmão. Além disso, os níveis de aptidão física são preditores independentes de sobrevivência (Avancini et al., 2019).

Preservação da Função Física e Composição Corporal:

O exercício durante a quimioterapia adjuvante para câncer de mama mostrou preservar a autoestima, a aptidão aeróbica e a composição corporal dos pacientes, sem causar linfedema ou eventos adversos significativos (Courneya et al., 2007) 

Melhora a Eficácia dos Agentes Quimioterápicos:

Estudos indicam que a atividade física e o exercício estruturado estão associados a reduções no risco de recorrência e mortalidade por câncer após o diagnóstico de certas formas de câncer. Evidências emergentes sugerem que paradigmas de atividade física/exercício podem regular a maturidade e perfusão vasculares intratumorais, hipóxia e metabolismo, e aumentar a resposta imune antitumoral, potencialmente melhorando a eficácia dos agentes quimioterápicos (Ashcraft et al., 2019).

bottom of page